Fins acontecem. Sim, logo de cara assim, pra você nem duvidar que este será um texto direto e frio. Bem frio. Porque é isso que ele foi quando terminou com tudo. Mas fica! Lê até o final! Eu não vou ficar lavando minha roupa suja aqui. Mas, sim, fins acontecem. Pode ser que não; pode ser que você encontre um cara tão perfeito e incrível e tudo de bom que vocês ficarão juntos pro resto da vida, porque pra ele você também é perfeita e incrível e tudo de bom, e para vocês dois, essas coisas são o suficiente. Nem pra todo mundo é.
O fim pode acontecer e não há como prever isso. Pode ser hoje, pode ser amanhã. Mais uma vez, pode ser que nunca aconteça. Pode ser que vocês, de fato, nem venham a acontecer. E toda aquela minha promessa de ser direta e facilmente compreendida foi embora pelo ralo agora mesmo: não há como ser simples quando o assunto é relacionamento. Não existe uma formula exata, uma forma que encaixe vocês dois e os transforme no casal perfeito como diz nas revistas. Vocês podem ser como quaisquer outro que já tenha existido, mas vocês também podem ser como ninguém nunca foi: o tipo de casal que só vocês mesmos poderiam ser, por terem a própria essência, o seu próprio jeito de agir e pensar e tratar o outro.
O que ninguém realmente conta: o amor não é tudo - e eu não estou o banalizando, de forma alguma. Se existe alguém no mundo que acredite no amor, esse alguém sou eu. Mas ele não é tudo quando se trata de um casal, de duas vidas tentando tornar uma só. O amor vai ser o essencial, sim, mas a partir dele outras coisas deverão surgir: paciência, cuidado, abrir mão do seu querer e do seu orgulho pelo outro, paciência, preocupação e mais paciência. Amar significa ter o outro em sua própria vida, o que significa aceitar os seus defeitos. E nem pra todo mundo isso é fácil. Na verdade, pra poucas pessoas é.
A coisa toda com o ciúme é o de menos se outras coisas mais difíceis aparecerem: o fato de ter que organizar o seu tempo pra dedicar uma parcela dele àquela pessoa, a questão do "incluí-la" em sua vida, a parte de acostumar-se com dividir o seu dia-a-dia com alguém. Levando em conta que você não seja adepto a relacionamentos abertos, você com certeza vai querer que essa pessoa participe efetivamente da sua vida, e isso leva tempo, esforço e coragem. Toda essa história exige essas três coisas, além de, é claro, amor.
Mas, no fim das contas, é preciso não ter medo. É preciso dar a cara a tapa pra ver no que dá, porque como eu te falei, relacionamentos não vêm com manuais. Você precisa se arriscar pra ver no que dá. E se quebrar a cara, fica tranquilo. Pode ser que o melhor ainda esteja por vir... E se o próximo doer de novo, tenta novamente. E de novo e de novo e de novo. Até dar certo. Tenta outra coisa. Tenta se amar. Tenta parar de procurar e deixa chegar. O importante é nunca parar de tentar. O que alguns até chegam a contar: a vida gosta de nos testar.



Deixe um comentário