A vida não é uma comedia romântica. Não é um livro de auto-ajuda. As pessoas tentam usar esses artificioso ou nomes mais ''bonitinhos'', para ver se desfaçam os problemas e sorriem. Mas vamos combinar que um maço de cigarro não vai substituir o dinheiro que falta no bolso da sua mãe todo final de mês. Só que a vida também não é um eterno sermão. Espera, eu também não sei explicar a vida.
    Não consigo descrever tudo isso na verdade, é como se todos nós fossemos papel higiênico e com uma esfregadinha de alguma pessoa se é rebaixado ao lixo, depois dependendo, pode ir pro lixão ou se reciclar de uma forma mágica, mas sem nunca deixar de existir aquele resquícios da esfregadinha. Mas pode ser o contrario, você pode colocar alguém ao nível de um papel higiênico sem utilidade, pode se tornar a tesoura e picotar tudo aquilo que lhe aflige. Por que algumas pessoas são melhores que outras. Uma é a tesoura e o outro o papel higiênico sem utilidade. Uma é o cigarro e outro é a bala. Só que ninguém percebe que todos se apodrecem por dentro, não importa o que dizem ou fazem.
     Talvez por isso que me sinta estranha aqui, nessa festa que não merecia o titulo de ''festa'', pelo simples fato de ver pessoas engolindo nicotina como se fosse ar, rindo descontroladamente do nada. Só que vendo por outro lado, isso é definição de festa, definição de vida na verdade. Só não sei se isso tudo é dor, "curtição'' ou magoa. Afinal, todos tem seus motivos para se drogar, mesmo que sejam os mais banais. Mas não pense que estou falando de apenas drogas como: cigarro, bebida, maconha, pó, ou qualquer outra coisa do tipo, estou falando da droga generalizada. Por exemplo: Tem um menino encostando na mesa, com a cabeça entre os mãos, seus olhos estão vidrados em uma menina que dança distraidamente na pista, ela sorrir, ele sorrir, ela estar feliz, ele também, e essa é a conhecida droga do amor. A droga mais clichê da história da humanidade, aquela que é impossível não sentir, a não ser que você tire o coração de você, mas bem, você morreria. Tem uma menina na mesa do fundo que passa batom repetidas vezes, como se nunca estivesse no tom certo. Ninguém está na mesa dela. Ela própria se afastou do mundo e agora só existe o batom, que ela pensa fazer companhia, só que ela mesma não faz companhia a si mesma. Essa é a solidão. Em outra mesa a vários amigos reunidos rindo dos outros, posso dizer que estou incluída no meio, nos rimos dos outros para não chorar por nos mesmo, pode ser depressivo mas é a verdade. Todos tem suas drogas, seja bebendo ate cair por que, quer se sentir livre, quando sequer não tem asas, outros com o cigarro entre os dedos tentando voar para outro mundo, por que já está doendo de mais ficar aqui, existe aquele que olha pra menina e sente o coração se despedaçar por não possui-la e tem medo de se correr atrás. O grupo na pista se ''pegando'' só quer ser lembrando, ter lembranças, poder dizer alguma coisa, como: eu peguei 3, cara - o absurdo é que eles não pensam que podem ter herpes -, as meninas que estão na pista dançando só querem esquecer, esquecer de qualquer coisa que lhe fizeram mal, que lhe seguraram de viver, é aquele o momento de ser feliz, mesmo que seja durante algumas musicas.
      E assim se repete, e eu volto para a tesoura e o papel higiênico. Todos querem ser algo mais, superior a alguém, todos querem ser a ''tesoura'' e sair cortando qualquer um que entrar em seu caminho. E então é em coisas simples assim, como uma festa que vemos que todos são seres humanos, não papel higiênico e uma tesoura, são nesses momentos que vemos que todos podem ficar bêbados, falar da vida aleia, se frustar, dançar, por ali entre várias pessoas, só o que todos querem é sorrir, não importa o que você tem contra aquela pessoa, vocês todos são iguais. Cabe a você perceber que a vida pode ser uma eterna festa, com todos usando um tipo de droga para se sentirem, para sentir algo, para se sentir, e para não ter o peso do mundo das costas de ser melhor do que alguém.
                                                                                                                                                                                                
Nota: Hello, depois de um tempo sem a nossa querida Aquela Do Cabelo Azul, ela ta festeira em. Mostrou agora o seu lado especialista, montando metáforas com a vida. Espero que tenham gostado, já estava com saudades dessa louquinha. 
                                                                 


Deixe um comentário