Quando temos 10 anos nos achamos vividos, e mesmo com tanta pouca idade temos histórias para contar, com 20, imagine! Com 80 com certeza colecionaremos muito mais que momentos. Nós teremos vivido demais, amores vão ter passado, outros deixado essa terra, os porres ou o único porre será lembrado com risos, mesmo se você não pôs uma gota de álcool na língua. Só que isso não é sobre o que penso do futuro, é sobre o presente e como podemos mudar-lo com uma palavra . Com 15 anos, 14, ou mesmo 13, pensamos que não aguentamos mais, choramos no canto, tentando tirar aquele aperto que sufoca no peito, e o estupido pulmão que não decide colaborar, choramos por muitas coisas, é nessa fase que os problemas se tornam reais e vemos como é um saco.
Algumas vezes, não são problemas na escola, família, são problemas do coração e da nossa mente metida. Não há como esquecer alguém, as memórias simplesmente não somem como numa lobotomia, elas permacecem, nos perturbando nos momentos mais importunos, onde queremos jogar pro alto e chorar só um pouco. A questão é que esse "só um pouco" se repete, num ciclo vicioso que parece não ter fim. Como você vai esquecer se não quer? Vão dizer que não é simples como falar, e realmente não é. Com 14, 15, nossos hormônios estão a todo fervor, querendo pele com pele , lábios com lábios, mas além de tudo, querendo viver tudo o que ler, assiste e que ouve, desde as brigas às tardes apaixonadas. Alguns podem dá certo, outros não. Só que com 80 anos, essa só vai ser uma das outras milhares de vezes que o nosso coração foi quebrado, só mais uma história, dentre a história da nossa vida. Mas como viveremos todas essas histórias, senão conseguimos colocar um ponto final nessa? Você pode chorar, todos podemos, porém, isso passa, o mundo não deixa de rodar nem as pessoas de viver. Pode ser "impossível", doer, e lembramos do sorriso dele/dela quando encontramos o sorriso de outro alguém e queremos que não fosse aquele sorriso ali. Podemos lembrar das feições, do som da voz, das qualidades, dos defeitos, e temos vontade de lutar contra todos e todas as opiniões e ter o que queremos. A vida não é assim. Não adianta levantar do chão e lutar se o sino já tocou, e você é o perdedor. Nós perdemos muitas coisas nessas vida. Temos que aprender a lidar com tudo, as pessoas escolhem outros caminhos, outras pessoas e o que nos resta é fazer o mesmo. As vezes é bom gritar, escrever xingamentos, chutar tudo, mas ter certeza que aquilo acabou, que apesar do sentimento está ali, você vai deixar outras coisas te tomarem. Se por acaso a história nem começou a ser de fato escrita, não se preocupe. Você terá menos mensagens para apagar, não terá provavelmente beijos para lembrar ou juras de amor. Já passou pela sua cabeça, que talvez nem fosse tudo isso? Que você é apaixonado por uma coisa que só aconteceu na sua cabeça, mas nunca foi real? Talvez foi melhor não acontecer mesmo, aquela pessoa podia não ser tudo que você imaginava e no final a decepção e dor ser muito maior.
Há algumas batalhas que vale a pena lutar, outras a gente pode recuar! Não vale chorar por um passado ou por algo que nunca aconteceu. Provavelmente está doendo agora, e sua cabeça dirar que é tudo mentira. Daqui há alguns anos, você vai escutar aquela música, lembrar do sorriso daquela pessoa e perceber como aquele alguém era babaca. 

               


2 Comentários

  1. Que texto lindo!
    Me identifiquei em muitas partes. Eu, no "auge" dos meus 21 (rs) já achei que o mundo acabaria por causa da falta de uma pessoa diversas vezes.
    Mas não acaba. E a dor vai diminuindo. E outras pessoas vão surgindo.
    Não é que as pessoas sejam substituíveis, porque não acredito que sejam. Mas "postos" são. O posto de namorado, principalmente.
    Temos que saber colocar na balança pra ter certeza de que vale a pena continuar insistindo em algo (ou não).

    Adorei seu blog. De verdade. Vou tentar acompanhar sempre que possível.

    Beijos,
    Duas Leitoras

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Que bom que gostou! Acredito que essa é a real mensagem: que não importa o quanto dói, vai passar.
      Que ótimo que gostou do blog, saber disso é o mais gratificante para nós. Adorei o seu blog também e vou tentar acompanho-lo.
      Beijos.

      Excluir