Estou tão destroçada, quebrada ao meio, feito uma bailarina!As minhas linhas estão todas tordas, os meus parafusos estão todos soltos, estou quebrando aos poucos, como uma bailarina!
         Toda a suavidade, toda a dor, tem um nome, o seu, a minha fragilidade está cada vez mais forte, as minhas asas estão se desmanchando, os meus pés estão machucados, cheios de calos, cada um transbordando a dor que você me deixou, a dor de uma bailarina!
      Giro, salto, na ponta dos pés, carregando minha dor no leve girar, nós pequenos passos, giro para o alto, me sentindo livre, livre daquele jeito que só você me fazia sentir...as pontas dos pés tocam o chão, carregando a eletricidade pelo meu corpo, a eletricidade que só você me fazia sentir, ao tocar minha pele, tão suavemente, como porcelana, como a fragilidade da bailarina!
      Fecho os olhos, parece que você está aqui, juntando os lábios aos meus, a chama ecoando, os giros levam meus cabelos ao vento, como se você estive-se me tocando...mais uma vez. Eu caio, o show acabou, aquela era a morte da bailarina, eu era a bailarina! 

                                                                             
      


Deixe um comentário