''O vento chicoteava, cortando as ondas, pessoas iam e viam com sorrisos no rosto, as vezes até falsos, mas eram sorrisos.
              Seus braços me apertavam cada vez mais, sua cabeça na dobra do meu pescoço, a respiração pesada batendo contra ele. É tão maluco como as coisas podem mudar, nós somos inconstantes igual ao mar, um dia estamos grudados um ao outro sorrindo feito bobos, o outro é como se nunca tivermos nos visto, o nosso amor era tão tenebroso quanto o mar, confuso e arrebatador, capaz de quebrar e sarar todas as minhas estruturas, era tão confuso, o nosso amor na realidade é confuso.
       Mas naquele dia de sol, você estava lá, comigo, me prendendo em seus braços, na sua prisão que não tinha volta.''

                               

                           


Deixe um comentário