Saí de casa naquela mesma hora, enfurecido. Sentia raiva, frustração e todas aquelas coisas que eu sinto quando eu e ela discutimos. Não discutimos muito, mas quando acontece, é quase sempre pelo mesmo motivo. Ou eu não dei atenção suficiente para algo que ela considera ser muito importante, e ela acabou se estressando; ou ela ficou com ciúme porque eu disse que minha ex voltou a falar comigo e eu detesto ciúme, parece que ela não confia em mim. Nós pouco brigamos, mas quando isso acontece, parece que junta tudo e a briga fica imensa. 
Quando brigamos, eu preciso sair de casa para respirar. Na maioria das vezes, uma conversa é o suficiente para nos resolvermos. Só que outras vezes, geralmente quando ela tem razão, eu preciso sair pra organizar a minha cabeça. E ela me deixa ir, não porque quer que eu de fato vá embora, mas porque me conhece o bastante pra saber que eu preciso desse tempo. Ela sabe que eu não vou para sempre, mas sabe que eu vou voltar. E eu também sei disso porque só de passar pela porta eu já começo a sentir falta dela. Eu não preciso dela como quem precisa de oxigênio pra viver; mas ela me faz ser melhor. Por ela, eu tento ser melhor. E eu faço de tudo pra ser, porque ela vale a pena. E quando eu lembro disso, e lembro que cheguei nestas conclusões há muito tempo, eu esqueço todos os problemas, das brigas, do ciúme e da forma como ela sempre cuida de mim, mesmo que distante e mesmo que eu não mereça. Ela é um anjo e eu a amo muito - é geralmente nesse momento em que eu decido voltar pra casa e dizer isso a ela; sei que ela sabe, mas não posso ficar nem mais um segundo com ela distante de mim assim.
Chego em casa e ela já dorme, com certeza exausta de toda a discussão e do dia corrido que ela teve. Ela parece ainda mais com um anjo enquanto dorme, com o peito subindo e descendo em um ritmo contínuo e o rosto relaxado o suficiente para me permitir notar cada traço dela. E eu vejo que amo tudo nela - inclusive as unhas do pé pintadas de azul em um tom que eu não vejo em nenhum outro lugar, somente nela, e o cabelo cacheado que se espalha pelo travesseiro e dá ainda mais beleza à ela. Amo as poesias e fotografias que ela espalhou pelas paredes do nosso quarto logo que nos mudamos e como ela sempre se preocupa até em deixar o espaço suficiente na cama para eu voltar. 
Vê-la ali, no nosso quarto, é o suficiente para lembrar de tudo; escolhi essa mulher para ser a minha mulher - não a minha propriedade (nós odiamos essa coisa toda de posse), mas a minha esposa, mãe dos meus filhos, companheira de vida. E dentre tantas opções, ela também me escolheu. Logo eu, o cara mais improvável que tinha. Por isso nós temos nosso quarto, nossa cama, nosso apartamento, nossos sonhos, nossa vida. 
Deito-me ao seu lado e ela permite que meu braço a abrace pela cintura, talvez inconsciente, ainda dormindo. Os pés dela procuram os meus para se aquecer e eu sinto que de alguma forma, ali ela diz que está muito feliz por me ter de volta. Quero dizê-la que ela nunca me perdeu, nem nunca vai perder. Já até esqueci tudo o que nos levou a brigar e aperto o abraço como quem tem medo de perder. Antes de dormir, ainda consigo pensar no quanto eu tenho sorte por tê-la e por ela nunca, nunca desistir de nós. E muito menos de mim.
Sou o homem mais sortudo no mundo.

Meus textinhos aleatórios voltaram porque eu amo e porque eu quis. Beijox 💖


Deixe um comentário