Brasília, 11/Jul
         Tudo parece uma bagunça só. Meu cabelo, meu quarto, meu armário, minha vida. Está tudo incomum, gastado. Nada me apetece, muito menos surpreende. Parece que estou trancada numa dimensão única, só minha. As outras pessoas estão em outros lugares, enquanto eu estou aqui, trancada numa bolha que ninguém pode interagir. Só abro a boca para comer e cantarolar algumas canções que ainda são minhas preferidas. Tenho preguiça de abrir os olhos, acredite. Passo o dia inteiro apenas imaginando como será chegar em casa e ter mais um encontro casual com minha cama. 
         Não é como se eu tivesse alguma depressão ou afins. É mais um muro que construí ao meu redor. Pelo menos foi isso que meu amigo disse quando estávamos conversando, pela última vez, no mês passado. Todos parecem distantes. As pessoas agora têm medo de amar. Dá pra acreditar? Medo de se entregar! Parece até piada. Não posso acreditar que alguém tenha medo de fazer algo tão simples, tão certo. Como se fosse até um bicho de sete cabeças. Basta cuidar, basta proteger. Dar liberdade e ver no que dá. Esse negócio de ter medo é para os fracos. Sem falar que amar nem é uma coisa a qual exista manual. Cada um usa do seu jeito, e torça para fazer bom proveito.
         Ainda penso que é piada. Por algum acaso você teve que ler algum passo-a-passo para amar sua mãe? Seu pai? Há. Piada mesmo. E se eu quiser ir mais á fundo, lá no colegial, quando você teve uma quedinha pelo seu colega de sala que tinha um jeito de falar diferente e um sorriso que você jamais vira... também teve que ler alguma instrução de modo de uso?
         Amar faz parte, amar é viver. O problema é que todos andam tão cansados, tão bagunçados, que chegam a ter preguiça só de pensar em tratar bem ou cuidar de alguém. A bagunça é tanta que desisto só em tentar planejar ter algo com alguma pessoa. A vida virou um quebra-cabeças faltando peças. Acho que caberá a mim procurá-las.

Ainda confusa, Serena.
N/A: Sobre o pseudônimo... Há. Só risos. Mais um diário, tirando o graaaande atraso. Estava com saudades, já. Só eu que amo esses diários? E, se quiser mandar o seu, basta usar a criatividade e o serviço é grátis! Mande para o mydreamsstayhere1@gmail.com (porque o nome mudou mas o email não!).


Deixe um comentário