Poderia ser pra mim ou pra qualquer outra pessoa. Sabe, hoje, decidi te escrever porque senti uma certa saudade de você. Não era saudade dos teus beijos, ou do teu carinho. Nem do teu cheiro, muito menos do teu sorriso. Foi uma saudade louca de brigar com você. Daquelas brigas que só tínhamos quando estávamos a sós, gritando um com o outro. Você fazia birra, você batia em mim com os punhos fechados. E depois me xingava de todos os xingamentos imagináveis. E a melhor parte disso? Quando você, finalmente, cansava de gritar e ficava furiosa porque eu estava controlavelmente calmo. Lhe puxava para um abraço, emendado com um beijo no canto dos lábios. Pensar nas nossas brigas me faz pensar em nós
       Me faz pensar que essa distância toda só me dá mais vontade de ter-te comigo outra vez. Porque sentir falta das nossas discussões dá no mesmo de sentir falta do teu beijo, do teu abraço, do teu carinho. E pensar que, agora, ter você comigo é quase impossível. São tantas cobranças, tantos passatempos. Não queria que o que temos fosse uma obrigação e eu nem quero sentir-me como se fosse um dever pra você. Mas não ter compromisso algum também não é o que quero. Quero andar de mãos dadas e quero te chamar de minha. Quero beijar-te ao acordar e ser o último a falar com você antes de dormir. Quero as brigas cotidianas, as tuas birras e todo o resto, quem vem em combo. Porque, eu já devo ter dito, mas me sinto na necessidade de repetir: você é perfeita pra mim.
       Eu penso em nós no futuro. Penso em mim com alguns cabelos grisalhos, porque na minha família os homens antes dos quarenta já tem quase todos os cabelos brancos. Penso nos seus olhos ainda sonolentos enquanto tomamos café na cama. Penso em um cachorro com algum nome incomum para combinar com o nosso sentimento. Um sentimento que não é baseado em simplesmente amor. É baseado no complemento, na sua felicidade que é causada pela minha e vice versa. Sem essa de promessas ou juras de futuro perfeito. A única coisa que eu quero é o seu amor, a sua fé que podemos ser aquilo que quisermos, se estivermos juntos e se, acima de tudo, acreditarmos.
Estou com saudades.
Navi.

N/A: Estou tentando dar outros rumos á Lua e Navi. O que me dizem? Fico feliz que eu esteja conseguindo escrever, que não esteja havendo nenhum bloqueio de criatividade e que eu consiga ainda pensar no que fazer daqui em diante. Só ter fé e acreditar, que dá! 



2 Comentários

  1. Ta querendo me iludir pra que? Pra mim acreditar que vai aparecer um Navi do nada, que é para mim ter fé, que eu terei minhas brigas costantes e alguém que mande carta pra mim? Olha Letícia isso não se faz com meu psicológico. Eu devia te processar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É mais pra me iludir do que qualquer outra coisa. Desculpaaa :( Mas acho que estou criando uma certa paixão por Navi.

      Excluir