Naquele universo maravilhoso chamado Twitter não existe apenas bobagem. Se você é alguém que, como eu, não se prende às babaquices que o site oferece, talvez se interesse por este assunto. Um dos assuntos mais comentados na rede durante estes dias era: #FamíliaNãoÉSóHomemEMulher. Após muito ler sobre, as próprias postagens sobre o tema, até mesmo depois de me posicionar em meu perfil, decidi que tenho muito mais opinião sobre o assunto do que cabe em 140 caracteres. Lembrei-me desta fabulosa ferramenta que possuo e vivendo eu num país livre, decidi trazer aqui minha visão sobre a intolerância, a cegueira e todos os outros fatores que impedem as pessoas de respeitar que os tempos já são outros.
  • Família não é uma estrutura imutável. Odeio mesmo quem considera família uma estrutura. Pai, mãe, filhos e um cachorro chamado Marley. Seja pai e mãe, mãe e mãe, pai e pai, só mãe, só pai, tio, tia, avô e avó. Não interessa a quem, se tem amor, se é o seu porto seguro a quem você recorre quando tudo está perdido, é família; aquele esquema de que só homem e mulher podem formar uma família é algo tão ultrapassado! "Dois iguais não fazem filho", mas adotam e cuidam dos que os dois diferentes não são capazes. "Gosto, bem longe de mim", "você apoia, mas se for com seu filho você não vai gostar" ou "eles vão influenciar a nova geração" são argumentos tão vazios, pois 1. você não tem que gostar, mas respeito é o mínimo que você deve ter; 2. só alguém sendo muito babaca para repreender o filho por ele decidir ser homossexual; e 3. que eu saiba, os pais da maioria dos homossexuais são héteros. Cadê a influência? E nem preciso dizer que isso é só uma das coisas que nos provam o quanto nenhuma família é igual. Existem milhões de casos de crianças que vivem somente com sua mãe, com a avó, tio e tia e tantos outros. 
  • O seu preconceito não te levará à lugar algum. Você que olha torto para essa nova fórmula familiar, repreenda a si mesmo! Preceituar o que quer que for é algo muito baixo e eu tenho certeza de que ninguém quer ser/fazer algo assim. Seja mais do que isso; eu sei que você consegue.
  • Chega de intolerância! Não será um comercial de TV que irá ferir a imagem da família tradicional brasileira. Abra seus olhos. Ser intolerante torna a vida chata e curta. Abra sua mente para o que já é fato aceito pelas pessoas inteligentes: os tempos são outros. Você é tão intolerante que chega a não aceitar a mudança até quando ela não te afeta. Se importa com a vida dos outros e, me diz uma coisa, a sua deve estar arrumadinha, não? Nenhum problema, nenhuma conta para pagar, nenhuma decepção amorosa? Olhe-se no espelho antes de levantar a voz e apontar o dedo para alguém.
No mais, o meu objetivo aqui não é ofender ninguém; venho por meio destas palavras expressar a minha opinião que estava presa na ponta da língua há tanto tempo. Se você se ofendeu, sinto muito dizer, mas acho que é melhor pensar um pouco no porquê disso. E depois, se você ainda procurar razões para se ofender, desculpe-me de novo, mas você é um caso perdido.
Viva a mudança, viva o amor, viva a igualdade! Viva ser feliz. Viva!
Nota: Estou começando hoje o [agora é sério!] por motivos de: cansei de escrever sobre amor. Venho com essa nova proposta no intuito de escrever sobre coisas sérias, assuntos que vejo pela internet e fico chocada com o quão as pessoas conseguem se fazerem de cegas, surdas e mudas, até que algo venha a "ferir" sua moral. E aí elas se fazem de cegas, surdas e mudas para aquilo que costumo chamar de realidade. É isso e até a próxima.


Deixe um comentário