Há bastante tempo eu estava querendo escrever sobre Homofobia, mas não sabia como abordar o assunto sem parecer repetitiva, até porque hoje em dia todo mundo já tem seus argumentos formados sobre o assunto, e são até muito parecidos. Mas, aproveitando o acontecimento de ontem (26), decidi fazer a postagem. A Suprema Corte dos Estados Unidos legalizou o casamento gay em todo o país, e o fato não foi comemorado apenas por ativistas que estavam do lado de fora do tribunal, mas por todo o mundo. Como as pessoas não se expressam mais no "mundo real", me contive a observar as redes sociais. No Twitter, a hashtag #LoveWins ("amor vence") surgiu e ficou em primeiro lugar nos assuntos mais comentados, e no Facebook, vimos fotos de perfis coloridas (e lindas) por toda a timeline.
Mesmo que eu tenha visto bastante hipocrisia (pessoas com fotos coloridas mas que mantém aquele discursinho de "não tenho nada contra gays, desde que meu filho não seja um"), fiquei muito feliz com algumas postagens e a maioria delas me trouxeram a ideia para os seguintes tópicos:
  • Primeiramente, uma imagem vale mais que mil palavras:
mais explicativo não há.
  • É importante lembrar que a legalização no Brasil existe desde 2013, e eu não consigo entender como ainda tem gente batendo nessa tecla. Em 2011, o Supremo Tribunal Federal passou a reconhecer a união homoafetiva. 
  • Isso não é uma blasfêmia. Seria se estivessem legalizando o casamento religioso. Entendo que religião não é algo com que se possa mexer, e acredito que se determinada religião não aceita que a pessoa seja homossexual, ela não tem nada o que fazer ali. É simples, e facilmente explicada através de uma metáfora: se você está num grupo de amigos onde não aceitam quem você é, simples: saia de perto deles. Funciona da mesma maneira.
  • Você não precisa ser gay para defender a causa, basta que você acredite que o amor é algo gratuito, livre, uma das únicas coisas que ainda não perdemos (não totalmente). É como o feminismo: não precisa ser mulher para querer a igualdade de gêneros, para defender que as mulheres também têm o seu espaço na sociedade. Não existem diferenças entre o hétero e o homo; cada um tem o seu lugar, tem os seus direitos e deveres, são seres humanos! 

  • O amor é livre de preconceito. Ele não se priva a gênero, raça ou nacionalidade. O amor é simples, é gratuito e não precisa da aprovação de outros para existir. Eu acredito que não haja mais o que falar, apenas saber que ser contra o amor torna o ser humano frio, baixo e calculista. Apenas cresça e aprenda que todos somos livres para fazer o que bem quisermos, amarmos quem bem quisermos e cabe a você não julgar, apenas respeitar.

Por fim, eu nunca vou conseguir dizer tudo o que eu queria dizer sobre o assunto, mas o que eu disse aqui é uma boa parte. Fiquei muito feliz com a notícia, ontem foi um dia realmente inspirador. E eu espero que ainda hajam mais acontecimentos como esse, que o ser humano possa crescer ainda mais assim, fazendo com a humanidade caminhe à frente e veja que realmente não existem motivos para reprimir algo tão bonito quanto o amor. Até para saber que, no final, o amor sempre vence.

Para finalizar a postagem, ficamos com uma das melhores imagens surgidas ontem. É isso, o choro é livre, beijinho para os homofóbicos e até a próxima!




Deixe um comentário