Eu ando chorando demais, praticamente todos os dias, e eu sempre prometo para mim mesma tentar não chorar frequentemente. Mas eu sou um coração mole. Choro por coisas tão bobas que rio da situação. Só que acredito que agora está sendo mais difícil, estou numa montanha de sentimentos que me fazem acreditar que estou perdendo pessoas aos poucos. E remotamente fico lembrando de quem deixei para trás, não por escolha. Agora eu quero uma vida mais normal. Quero ficar, poder fazer minhas escolhas. Então, parece que ninguém confia em mim.
Ao mesmo tempo que tem pessoas torcendo por mim, tem outras me relembrando a cada segundo que eu errei e posso errar de novo. Odeio pressão. Me sinto sufocada, como se tudo que eu fizesse não fosse por mim, que eu precisasse de alguém me enchendo o saco, para uma coisa que eu tenho certeza que preciso cumprir, não por ninguém, mas por mim.
É como se eu tivesse sendo retirada da minha caixinha. Perdendo meu eixo. Deixada de lado um pouco, para outras pessoas construírem uma vida. Me sinto um pouquinho sem chão, porquê as pessoas estão falando sobre isso direto comigo e quem mais importa não sentou e conversou. Então eu sento, escrevo meus textos, ponho uma música, coloco tudo para fora, como se fosse um "detox" da minha alma. Pois meu coração anda sendo constantemente apertado e eu frequentemente fico sem ar e lágrimas se derramam sobre mim. Ai eu converso com meu travesseiro, ele e Deus sabem disso tudo, e eu me agarro aos dois, pois eu posso está sendo precipitada e errando. Eu sento na cama, agarrada no meu travesseiro, tentando esquecer disso tudo, formando um universo paralelo na minha mente, e pedindo perdão, pelos erros que cometi e vou cometer. Por fim, sorrio. Ninguém disse que seria fácil.



Nota: A bad invadiu meu 2016. Mas vai melhorar. Como eu já disse em um post, quando estou escrevendo a maioria dos textos eu escuto música. Essa foi a vez de um cover de Believe da Cher pela Madilyn Bailey e Pillowtalk do Zayn. Espero que tenham gostado do texto.


                                                                     


Deixe um comentário