Curitiba, PR - 27/03
           Primeiro, meu namorado não me procurou. Este é o primeiro motivo para voltar a escrever. Depois daquele dia, mais precisamente semana passada, ele passou por mim e deu um leve sorriso, o qual respondi com outro. E isso foi o suficiente para percebemos que realmente não tem volta. E foi bom, sabia? Foi como se dissesse: "não damos mais certos juntos, mas quero que você seja muito, muito feliz". Pelo menos eu penso assim. Decidi que eu devo esquecê-lo, também. Por que eu simplesmente, depois do dia 8, comecei a pensar mais em mim. Deixei de assistir um filme com minha melhor amiga por que teria o jogo do time favorito dele, e ele queria que eu fosse junto. Deixei de comemorar o aniversário de um grande amigo meu por uma crise de ciumes dele. Decidi que estou muito bem sem ele. Não desejo mal, mal algum. Quero vê-lo feliz... Bem longe de mim. 
           Segundo, um antigo amigo apareceu na minha vida. Daqueles amigos de infância. Me encontrou numa rede social e não paramos de conversar. Eu sempre gostei muito dele. Da forma como brincava comigo, e da forma como me trata hoje. Semana passada ainda disse: "juro que não sei como consegui passar todo esse tempo sem falar com você". Prometi a mim mesma que não o usaria para esquecer meu ex, mas com ele eu me sinto diferente. Eu me sinto feliz, como se não precisasse agradar ninguém. O único lado ruim disso é que eu criei um tipo de dependência. Se passo um dia sem falar com ele, até mal humorada fico. 
           Estava eu conversando com ele um dia desses, acabei comentando sobre minha desilusão amorosa. Ele me deu um sermão, reclamando que eu devia parar com isso naquela hora mesmo. Depois disse: "Sabe de uma coisa que você tem que fazer? Mirar pra felicidade e remar. Rema, mas rema bem muito. Só assim pra esquecer esse babaca e pensar em si mesma. E até ver que, quem gosta de você de verdade, está bem na sua frente". Depois, ainda disse que vai me ajudar a ser feliz. Desde então, não consigo parar de repetir essa frase a mim mesma quando me sinto triste ou pra baixo. Isso está me fazendo muito, muito bem. 
           Terceiro, tudo parece se encaixar. Como se agora finalmente cada coisa estivesse no seu devido lugar. Minha vida, meus estudos, meus compromissos, minhas amizades... Tudo está dando certo. Parece até que aquela maré de azar se foi de vez. Me sinto feliz, completa. E isso, sinceramente, não tem preço. Quem sabe eu até consigo ser feliz com meu antigo novo melhor amigo? E consigo passar no curso que tanto quero? E até viro amiga do meu ex? Ou, imagina só, conseguir o que tanto quero: alcançar o ápice da minha felicidade? Ou, sei lá, qualquer outra coisa que me faça bem? Anota aí, que até o fim do ano, consigo tudo isso. Deus há de querer! 

Ariel T.

Nota: Só Deus sabe o quanto estou torcendo por Ariel, que volta ao blog com outro diário. Torço, torço muito. Ela, assim como todos nós, merece ser feliz demais. Deus quer sim, Ariel. Boa sorte! (E você que ainda não mandou diário, o que está esperando mesmo hein? Manda logo! mydreamsstayhere1@gmail.com) xoxo,


Deixe um comentário