Também conhecido como "fim do mundo",
Perdas sempre são doloridas. Seja um amigo que se afastou, seja um grande próximo que partira dessa pra melhor, seja aquela pulseira linda que você quase nunca tirava do braço. Toda perda dói, pois vai fazer falta, pois vai deixar marcas, pois vai fazer sofrer. Há aquelas que os culpem e aquelas que sejam totalmente contra a vossa vontade. Mas toda perda tende a doer. De acordo com o dicionário, perder significa não possuir mais, embora possa ocorrer por uma questão de escolha ou não. Quando fora por uma atitude mal tomada, a dor vinda já é esperada, a perda já é imaginada. Entretanto, quando é aquela perde repentina, de uma hora pra outra sem nem pensar em aviso prévio, um buraco se abre no peito e ali fica por um bom tempo, até ser preenchido por outra coisa, ou nunca se preencher, de fato.
Uma vez, me disseram que: "a pior perda é quando a pessoa está ali e sabemos que não a temos mais". Eu fiquei com essa ideia fixa e levo isso para mim hoje, porque vi nessa pequena frase uma realidade que vivo, que vivemos ao longos dos anos. Uma perda presente, uma falta de algo que está contigo o tempo todo, mas não se pode sentir, não se pode dizer que tem. Odiamos perder fácil demais, pois significa que não pudemos ser fortes o suficiente para segurar, escapa por nossos dedos sem que possamos pensar em guardar no peito, onde é mais seguro. E por mais que às vezes a perda tenha sido por nossa culpa, o sentimento é o mesmo. Saudade. Arrependimento. Querer que volte. Tudo isso num misto de tristeza. Perder é a pior coisa que se pode acontecer num relacionamento, e dói. 
Mas a vida é isso mesmo, nós perdemos, procuramos, deixamos, e mesmo com aquela saudade nostálgica permitimos viver, mesmo que naquele momento triste quissemos o colo de quem já se foi. No momento pre-festa não acharmos aquele anel, o primeiro que seu pai de teu. As fotografias se amassam, as roupas se desgastam, o ferro enferruja, mas as memórias permanecem, mesmo aquelas que tentamos esquecer e permitimos achar que perdemos. 
É chato, dá nervoso, as lágrimas lavam o rosto. Temos que assumir que perdemos, que aquele sentimento não vai voltar, que ninguém merece a nossa amargura por perdemos algo, afinal, todo mundo perde, imagine todos se lamentando? Mas como John Lennon dizia: "Amo a liberdade, por isso deixo as coisas que amo livres. Se elas voltarem é porque as conquistei. Se não voltarem é porque nunca as possuí."

 Nota: Teremos perdas ao longo da vida, mas nada que não se erga a cabeça e não se siga em frente.  

                                                                                   


Deixe um comentário