Post atrasado uns dias, mas vamos lá. Vocês com certeza têm conhecimento do lançamento de A Culpa é das Estrelas, nessa quinta-feira (05). Nós três, postadoras desse blog, fomos assistir com muita vontade e curiosidade em relação á adaptação. Resolvemos, então, fazer esse post para divulgar nossas opiniões sobre o filme, se está fiel ao livro, sobre os atores e tudo mais, trazendo também alguns gifs do filme e citações (pode conter spoiler). Okay? Okay.
Letícia diz: Dia 5 de Junho de 2014 foi lançado o filme - ou um dos filmes - mais fiel ao livro que eu já vi. Devo começar dizendo, também, que eu entrei na sala do cinema chorando e saí chorando. Até as falas. VOCÊS ENTENDERAM BEM? ATÉ AS FALAS! Foi incrível ver as cenas e notar coisas idênticas, i d ê n t i c a s, i-d-ê-n-t-i-c-a-s, IDÊNTICAS, idênticas ao livro. 



Entretanto, também tiveram aqueles típicos errinhos e que todo mundo sabe que adaptações cometem. E o que teve dessa vez foi: a ausência da amiga de Hazel Grace, Kaitlyn (sim, eu queria muito que tivesse ela porque ela é louquinha e eu fui assistir por N motivos, e um deles era ela), e da família de Gus (irmãs e sobrinhos). Em relação aos autores, Shailene Woodley é exatamente como eu imagino Hazel Grace, e fez uma atuação espetacular! Em Amsterdã, quando visitam o museu de Anne Frank, e Hazel se cansa pela subida nas escadas... Foi exatamente daquele jeito que eu imaginei. Porém, no caso do Ansel Engort, preciso ser sincera: desde que anunciaram quem seriam os atores, eu não gostei da escolha. Não gostei porque sempre imaginei Augustus Waters alguém irresistível, alguém completamente sedutor. Alguém que, por Deus, eu daria a vida para beijar! E não foi esse o resultado que tive. Por outro lado, a atuação dele foi maravilhosa. Fez com que a trama tivesse um tom de humor bem mais elaborado que no livro, e isso não tem beleza que supere. Cenas como a do posto de gasolina e do pré-funeral de Gus me fizeram ver que ele realmente fez uma atuação maravilhosa. E, vamos e venhamos, sair de Divergente como irmãos para virarem casal realmente foi demais, não? Falemos agora de Isaac. Ah, Deus! Nat, rapaz! Isso não se faz. Desse eu gostei demais, sem sombra de dúvidas. 


Por mais que as características físicas não tenham sido cem por cento fieis, eu o achei perfeito. Quase morri. Sobre o Van Houten... Eu imaginava o Peter um velho gordo e carrancudo. Ao invés disso, recebi um velho com aparência jovial e super irônico. O que achei sensacional do elenco foi que boa parte eu jamais vira, e isso foi interessante. 


Sobre a trilha sonora... Acho que nem preciso dizer nada. Simplesmente perfeita! Foi uma mistura de  uma xícara de vamos fazer as meninas chorarem com duas colheres de chá de não só as meninas, como todo mundo. Sim, minha gente. Todo mundo chorou, eu sei. A principal coisa que se ouvia na sala do cinema eram os snif snif da maioria.
Aqui você confere a playlist do filme:
1. Ed Sheeran - All Of The Stars
2. Jake Bugg - Simple As This
3. Grouplove - Let Me In
4. Birdy & Jaymes Young - Best Shot
5. Kodaline - All I Want
6. Tom Odell - Long Way Down
7. Charli XCX - Boom Clap
8. STRFKR - While I'm Alive
9. Indians - Oblivion
10. The Radio Dept. - Strange Things Will Happen
11. Afasi & Filthy - Bomfallarella
12. Ray LaMontagne - Without Words
13. Birdy - Not About Angels
14. Lykke Li - No One Ever Loved
15. M83 - Wait
16. OneRepublic - What You Wanted (música presente no trailer)
17. Bonus track: Birdy - Tee Shirt
Todavia, que filme, hein?! Cheio de emoção, de sentimentos transpassados perfeitamente. A química entre a Shai e o Ansel fazem o romance ser tão verdadeiro, tão... Justo e simples e apaixonante, como tudo deveria ser. Devo dizer que volto a chorar, lembrando-me de tudo. Lembrando-me que a dor precisa ser sentida, e que o amor é só um grito no vácuo, e mesmo havendo uma quantidade infinita entre o número 0 e 1, e uma quantidade ainda maior entre o 0 e 2, alguns infinitos são realmente maiores do que outros e eu preciso voltar á uma sala de cinema para rever essa perfeição que me fez chorar desde o "Faltando pouco para eu completar meu sétimo ano de vida, minha mãe resolveu que eu estava drepimida" até o "Eu aceito, Augustus. Eu aceito" - que no filme foi substituído por "okay".


Isabelle diz: Assisti A Culpa é das Estrelas na estreira (05) e foi uma loucura. As pessoas gritavam a cada cena (inclusive eu). Riamos com Isaac, Gus e Hazel, e no fim ninugém conseguia pronunciar um "a". Os últimos 30 minutos do filme foram torturantes para o meu coração e para toda aquela gente que estava no cinema. O soluço ficou preso na minha garganta e foi inevitável derramar um rio rio de lágrimas. Me lembro  que houveram muitas críticas aos atores antes do filme ser lançado, inclusive minhas. Não achava que Ansel Engort seria o meu Gus (e da Hazel, claro). Shailene Woodley sempre esteve entre minhas dúvidas: uma hora a achava perfeita para a pele de Hazel e outra não. Já Nat Wolff me chateou por não possuir tais características do Isaac. Porém, quando assisti o filme todas as minhas dúvidas foram para os ares (ou estrelas).


Ansel se tornou meu Augustus Waters de olhos castanhos, bom humor e sobrancelhas sexys. Ele trouxe um humor muito gostoso ao filme, e se mostrou um ator excepcional ao fazer as cenas de drama (que me feizeram ter quase um ataque), fazendo possível ouvir os soluços de todos na sala do cinema. No caso de Shai... Eu me apaixonei por ela. Interpretou Hazel Grace Lancaster de uma forma super leve, desde aquele humor pessimista no começo, até a transição para a felicidade que sentia ao lado de Gus. Já Nat... Eu pediria para casar comigo - com certeza seria negada. Isaac se destacou de uma forma incrível no filme, arrancando gargalhadas até nos seus momentos mais frágeis (como quando Mônica terminou com ele, e ele quebrou os troféus de Gus e repetindo always, always - não teve como não rir). Mas Nat como Isaac também arrancou lágrimas de mim. Não me segurei ao ouvir: "Eu não quero ver um mundo sem Augustus Waters".


Tudo no filme casava. Sejam os atores, ou a direção, locação e trilha sonora. Ah, a trilha sonora! Aquelas músicas foram feitas para acabar com todos os meus sentimentos ou...? Seja vendo o filme ou não. Birdy teve mais destaque na trilha, com três músicas (três não normais músicas, que lhe fazem chorar até a última gota de lágrima que restar em seu corpo). Também tem música de Ed Sheeran (outro que ama acabar com meu coração), e outros como Jack Bugger, Grouplove, Charli XCX etc.
Se pudesse, neste momento, estaria na sala de cinema, assistindo e chorando mais uma vez, porque foi uma das melhores adaptações que eu vi nessa vida e com certeza vai me marcar pelo resto dos meus dias, e de tantas outras pessoas também (e não, não estou exagerando). Além de tudo, queria dizer obrigada, mesmo que ele não veja. Eu agradeço a John Green por criar essa e tantas outras obras incríveis.


Letícia diz: O choro é inevitável. Acompanhar uma trajetória de livro-trailer-filme e sucesso que fez é algo maravilhoso. Ver que algo que te prende tanto é capaz, também, de prender outras pessoas. Ninguém é obrigado a gostar, mas repeite, nem que seja só um pouquinho, isso que importa. Okay?


Nota de rodapé: Seria ridículo pedir desculpas, então nós apenas viemos aqui, por meio deste post, mostrar nossas opiniões por meio disso - sem a opinião da Amanda por motivos superiores e lamentáveis. Veremos se voltaremos com outros filmes, quem sabe?


3 Comentários

  1. ainda não assisti, mas deve ser perfeito, como voc^^es estão aí dizendo e também pelos inúmeros comentários que eu já ouvi. pretendo ler o livro primeiro, depois irei ver o filme.
    ed na playlist *----* amo essa música. beijos, y-oungsoul

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Recomendamos que realmente leia o livro primeiro, pra dar aquela comparada básica! Mas tanto o livro quanto o filme estão total aprovados por nós. :)
      Beijos, e volte sempre.

      Excluir
  2. Oi, tudo bom?
    Essa foto com a frase é de minha autoria, meu tumblr: queen-of-quotes.tumblr.com. Por favor, creditem ^^

    ResponderExcluir