Então, passei a amar. Proibida e deliciosamente. Não podia me entregar tanto a uma coisa tão distante da minha realidade. Distante, mas a mais bela e mais confortadora. Sim, a pessoa que mais consegue me confortar nos momentos mais não-lúcidos. Surgiu justo quando tudo começou a falhar, cair, dar errado. Uma pessoa totalmente diferente de mim, que gosta de tranquilidade e paz, enquanto eu gosto de agito. Uma pessoa inteligente e bem vivida, enquanto eu não sei de praticamente nada. Uma pessoa que me completaria, mesmo que eu nem devesse pensar na mínima possibilidade de ficarmos juntos. É errado, é fora de questão e é algo totalmente utópico. Mas posso estar completamente apaixonada.
           Uma pessoa inesperada. Uma pessoa que eu nunca esperei que fosse ter alguma coisa, e que fosse ficar frustrada em saber que nunca poderemos ter nada. O que as pessoas iriam dizer? Qual seria a repercussão de tudo isso? Essas perguntas me assombram a cada dia que passa e que me sinto mais apaixonada. Sinto-me totalmente envolvida nessa nova história, logo quando eu precisava esquecer de tudo para voltar a viver. E ele surgiu.
           Havia esquecido como é bom esse início. Descobrindo coisas novas, medo do que vão pensar e satisfação em sentir. Mesmo que eu tenha quase certeza de que o fim será extremamente doloroso, dos dois lados, pois posso estar acabando com uma amizade, ou até mesmo guiando minha vida para um lado errado. Contudo, mesmo assim, é bom. É bom sentir que posso me pôr nesse risco mais uma vez, por mais diferente que agora seja; é bom sentir que tenho alguém para pensar todos os dias, para admirar as qualidades e amar até os defeitos, para conversar a qualquer hora em que me sentir mal, para ajudar quando ele também precisar. É o meu oposto, eu sei. É errado, e eu sou a que mais sei disso. Mas é paixão. E o meu peito iria explodir se eu não dissesse isso.


Deixe um comentário