Sinopse: Aos 91 anos, com problemas de saúde e sozinho no mundo, Ira Levinson sofre um terrível acidente de carro. Enquanto luta para se manter consciente, a imagem de Ruth, sua amada esposa que morreu há nove anos, surge diante dele.
Mesmo sabendo que é impossível que ela esteja ali, Ira se agarra a isso e relembra diversos momentos de sua longa vida em comum: o dia em que se conheceram, o casamento, o amor dela pela arte, os dias sombrios da Segunda Guerra Mundial e seus efeitos sobre eles e suas famílias. 
Perto dali, Sophia Danko, uma jovem estudante de história da arte, acompanha a melhor amiga a um rodeio. Lá, é assediada pelo ex-namorado e acaba sendo salva por Luke Collins, o caubói que acabou de vencer a competição.
Ele e Sophia começam a conversar e logo percebem como é fácil estarem juntos. Luke é completamente diferente dos rapazes privilegiados da faculdade.
Ele não mede esforços para ajudar a mãe e salvar a fazenda da família. Aos poucos, Sophia começa a descobrir um novo mundo e percebe que Luke talvez tenha o poder de reescrever o futuro que ela havia planejado. Isso se o terrível segredo que ele guarda não puser tudo a perder.


Bem, novamente estou aqui com um romance - é, eu ando bem romântica - e desta vez peguei de um autor que já é conhecido pelos seus livros românticos e as mais de 10 adaptações cinematográficas. Admito que não sou muito fã do Nicholas Sparks, e que sempre prefiro assistir o filme antes, mas desta vez o trailer de "Uma Longa Jornada" me instigou tanto que eu decidi ler. E admito Work Song - música do trailer - ficou tanto tempo na minha mente e passando imagens do trailer nela que quando o clipe da música lançou, eu lembrei logo do filme e ai do livro e bem, li.
Já li "Um Amor Para Recordar" e admito que gosto mais de "Uma Longa Jornada" - ótimos títulos, em Nicholas -, por que, sim, apesar dos "eu te amos" antecipados demais, fui dormir domingo agoniada por que simplesmente os perigos que Luke iria passar me deixaram fora de mim e pelo jeito das obras do Nicholas temia que, sim, algo ruim acontecesse. Do mesmo modo que a história de Sophia e Luke mexeram com o meu estômago - sabe, quando ficamos agoniadas e parece que algo errado vai acontecer? - a de Ira e Ruth derramaram minhas lágrimas, com pequenas coisas, que hoje olhamos para o lado e é difícil ver.
Como eu disse, os "eu te amos" muito recentes dos personagens, me incomodaram, mas sei que na sala de cinema vai render suspiros, principalmente por que a nossa noção de tempo em filmes e livros muda completamente, principalmente quando o ator é aquele digno "gostoso" que antes da personagem conhecer o personagem, nós já estamos escolhendo o nome dos filhos deles. Mas eu também penso que pra você amar há 10 anos, um dia você teve que começar, porém são tantos complexos que se não sabe que ama alguém que conheceu há 2 semanas. Isso me irritou, porém com o passar do livro parou de me incomodar.
Uma das propostas do livro é interligar duas histórias - o que parece que nunca vai acontecer - e ao longo do livro os capítulos são divididos entre Luke, Sophia e Ira. Bem, o que falar de Ira? Um velhinho de 91 anos que perdeu a esposa há 9 anos, e com um acidente de carro, podemos conhecer a sua história com várias "visões" de Ruth. No começo eu não era muito interessada pela história deles dois, mas no fim, foi ela que derrubou minhas lágrimas.
As duas histórias se ligam bem no final, e por uma coincidência gigantesca, resolve todo um problema, que eu não vou falar. Quando eu acabei, fiquei procurando algumas páginas, por puro apego aos personagens, mas a história criou um arco muito bom e fecha ele bem, sem deixar linhas soltas, o que ultimamente vem acontecendo muito nos livros. Sem falar, que o livro deixa uma mensagem muito bonita e nos faz pensar fora  de todo aquele clichê. Para este livro, dou 4 estrelas, pois apesar de ter gostado muito não consigo esquecer algumas falhas.



Espera, que não acabou! Preciso comentar sobre a adaptação. Bem, eu gostei do cast, gosto dos produtores e todas essas partes e principalmente a trilha sonora. Mas, eu tenho que falar que só pelos inúmeros trailers que eu assisti, percebi que haverão claras mudanças na história, porém, não é algo que eu ache ruim, pois a história vai ser muito mais envolvente e movimentada pelas coisas que eu vi no trailer e ter um ligamento de fato entre as duas histórias, e eu gosto muito disso! Por que deixa o filme mais real e nos envolve melhor na história.

Bom, para quem não viu o trailer:
                 

E o segundo trailer, que tem umas cenas, que Jesus:
                 

O filme estreia dia 30 de abril. 

Músicas do trailer:
Waiting Game - Banks
Work Song - Hozier




Deixe um comentário