Falar-te-ei todos os meus desejos.
Nessa loucura por mais, 
Tornamos o nada. 

Canta-te-ei, todas as notas já conhecidas. 
Tu, que jamais aprecia-las.
Meu canto não se encaixa com o teu. 

Beijar-te-ei todas as suas mágoas.
Em troca, apenas queria ser ouvida. 
Você tampou os ouvidos e se fez surdo. 

Dançar-te-ei todas as noites. 
Tu fechavas os olhos.
Quem ficava no escuro, não era tu.

Te tornei algo tão suplime. 
Tão desejado e adorado.
Pois no fim, apenas eu era o caco. 



                                                                   
   



Deixe um comentário