Ela estava ao longe, sentada na areia, enquanto o vento levava e trazia suas mechas azuis, ela dizia não querer entrar na água por não querer desbotar seu cabelo, e por não ter dinheiro para retocar. Acho que é assim a palavra, sabe mulheres! 
      Cara, apesar dela ter todo esse jeito de: "sou diferente", era apenas uma garota, com um cabelo de uma cor ''não-normal'', protegendo da sociedade como se fosse uma capa, pelo menos é o que ela quer, mas isso não é nada de mais. Todo mundo pode ser do jeito que quiser, que isso não vai mudar quem você é.
      Queria não parecer um bobo apaixonado, isso parece meio gay, na verdade não queria está apaixonado. Mas simplesmente aconteceu, aquele cometa aterrissou no meu espaço e implantou todas as suas substâncias. É... Essa foi uma comparação meio estanha. Pelo menos se ela ler-se meus pensamentos agora, riria. Ela tem um sangue risonho. Tem o corpo risonho. Rir de coisas que não fazem o menor sentindo, ela rir mesmo quando está chamando todos na rua de fúteis que deveriam segurar os hormônios e não fazer filho quando não se pode criar. Ela rir quando xinga os políticos e diz que eles roubam o dinheiro que ela nunca nem teve. Ela rir para não chorar, por que quer mostrar que ta tudo bem, pois ninguém merece qualquer gota de tristeza que ela tiver. Isso a torna mais "garota" possível, se é que existe como ser "mais garota". Eu só queria colocar um "minha" antes desse "garota". Mas o meu ego, me impede de falar algo, por puro medo de um "não", por  simplesmente talvez não poder mais  puxar ela pelo braço, agarrar seus cabelos, beijar seus lábios e de alguma forma gritar que ela é minha, mesmo que seja internamente enquanto me aproveito da sua boca. Eu tenho medo, e isso me torna mais maricá, só que eu não posso mudar isso. A conhecida "aquela do cabelo azul" pegou meu coração, e levou para bem longe, com um simples beijo que quase me deixou careca. 
     Ela tem esse efeito sobre mim, me tornando um idiota que fica lendo literatura clássica, mesmo sem entender uma palavra, só para ter algo de inteligente para falar. 
     Ela não é "aquela do cabelo azul", é aquela que tem queimado todos os meus neurônios, se tornando a única equação que não conseguo resolver. 

Nota: Quem leu Aquela Do Cabelo Azul - Apenas se sente (aqui), sabe que a nossa maluquinha estava se rendendo a alguém, e eu estava pensando em trazer esse ''alguém'', para mostrar como é complicado está apaixonada por a nossa menina, e como talvez não seja só ela que sinta medo. Não coloquei como ''Aquela Do Cabelo Azul '', pois é um ponto diferente de uma história que já conhecemos. 




                                                                       




Deixe um comentário