Eu queria te encontrar, 
           Queria te abraçar e dizer que senti saudade, apesar de consideravelmente ser por pouco tempo. Queria ter aquela galera boa unida e me permitir rir como só aquelas pessoas fazem. Infelizmente, a vida não é assim e eu vou ter que me reencontrar diariamente com outros "alguéns". Um reencontro nem sempre feliz, mas que traz aquele fardo de certeza que, no momento, é só o que me resta. Reencontrar não é só encontrar alguém que não se vê há tempos; reencontrar, muitas vezes, é achar você mesmo, mudar e procurar aquele seu eu, procurar ser quem você quer ser. Ás vezes, você é forçado a recomeçar a reencontrar outros sorrisos, formular outros abraços. 
           Mas sabe, não existe melhor coisa do que se encontrar naquele abraço perdido há tanto tempo, é como se tivéssemos voltado para casa depois de uma longa jornada. Por mais que todos os lugares fossem incríveis, as pessoas simpáticas, o cheiro doce, não existia melhor lugar para estar se não fosse ali, sentindo aquele cheiro característico de alguém. Já li ou ouvi que a nossa casa é onde nosso coração está, por mais clichê que isso soe, é a pura verdade. Já dividi meu coração em vários pedaços e dei para algumas amigas, alguns familiares, algum animal, e continuo guardando pequenos pedaços do meu coração para dá-lo para mais alguns e lá também poder chamar de lar. Esse é o bom do reencontro, poder encontrar o seu coração e perceber que mesmo que maltratado ele continua lá, trazendo aquela nostalgia gostosa de reviver os momentos com quem importa, de sentir aquele aperto no peito quando abraça alguém, quando se sorri e você percebe que é natural.
           Então, cara amiga ou caro amigo, não tenha medo, os encontros, idas e vindas, e principalmente os reencontros doem, fazem a gente pensar em tanta coisa, mas são tão bons, de quem sentimos vontade de colocar aqueles momentos em potinhos. Você tem consciência de quem é pertencente e de onde você pertence, então nada de medo, você sempre irá voltar. E o reencontro é, acima de tudo, um retorno ao lar. Um momento de entrega, presença. Um reencontro em forma de abraço, um reencontro em forma de beijo, um reencontro até em forma de sorriso - não necessariamente com um contato físico. Mas desde que suas almas possam sentir aquele reencontro acontecer, já torna tudo extraordinário. E mesmo que o reencontro seja com você mesmo, ainda é bom, ainda é o suficiente. Porque sempre é bom se encontrar em qualquer lugar, saber quem você é e poder mudar isso, conhecer os seus limites e quebrá-los, ter conhecimento do suficiente e querer saber mais. Num simples reencontro, você poderá se conhecer. Ou reconhecer alguém que há tempos não via. O importante é se reencontrar ou encontrar alguém com quem tenha deixado parte do seu coração e não ter medo de ir. 

Nota: Terceira cartinha do ano... Estamos muito felizes eu poder escrevê-las sobre assuntos diversos sem nos prender ao melancolismo, ou á felicidade plena. Essa é só a terceira de muitas, muitas ao longo do ano. Quisemos escrever sobre reencontros, porque nesse início de ano é quando acontecem esses reencontros, esses recomeços. Até a próxima!


2 Comentários

  1. Olá,
    Adorei o texto, dialoga bastante com o leitor e fala de um tema interessantíssimo. Adorei.
    Beijos.
    Memórias de Leitura - memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou <3 ficamos muito felizes! E se quiser, pode nos indicar temas para próximas cartas. Volte sempre! xx.

      Excluir