Eu sempre quis viver o impossível, aquilo que todos adoravam dizer que eu jamais conseguiria, ou até mesmo testar os limites que eu próprio criei em minha imaginação. E os limites da minha imaginação nunca existiram. Sempre sonhei com o improvável, sempre desejei aquilo que ninguém mais queria. E nessa de querer o indesejável, eu conquistei coisas que nunca me esquecerei. A primeira menina, o primeiro emprego, as primeiras aventuras. Tudo isso se deu graças ao meu gosto por coisas mais simples. Preferências como acampar ao invés de ficar num hotel 3 estrelas; comer pizza no chão do meu apartamento em reforma ao invés de sair pra jantar que nem qualquer outra pessoa normal faria; ou até mesmo uma viagem inesquecível para a África ao invés de passar duas semanas se divertindo na Disney. Eu sempre preferi tudo isso, até me apaixonar de verdade.
      Essa não é mais uma carta de amor. Eu sei que isso tudo são pensamentos soltos traduzidos em palavras, para que você possa entender o que eu também não entendo. Mas acho que, com toda essa história de amor, paixão, querer ficar perto, coisa e tal, você possa entender, você possa me decifrar. Eu, que nunca imaginei uma vida sem aventuras e sem histórias novas para contar, estou aqui, me vendo cansado, fadado dessa vida que tenho levado desde que me lembro e me entendo por gente. Eu não tenho certeza se devo largar tudo, mas sinto que aceitar o que eu sinto já é um primeiro passo. Amar não é ter que ter sempre certeza, eu sei que não. Tanto que, agora, não sei se fico ou se vou de uma vez. É que com você eu me sinto de verdade. Eu sinto que eu não preciso ser perfeito, não preciso fugir e posso ser eu mesmo. Eu não preciso fingir nada e posso esquecer de tudo quando estou contigo. E eu confesso que tudo isso é uma grande loucura, um verdadeiro abismo... E eu não vejo a hora de me jogar.
      Já pensei em te largar, já olhei tantas vezes pro lado. Mas quando penso em alguém, é por você que fecho os olhos. E se fosse pra desistir, acho que eu já teria feito isso há uns meses. Eu não quero ser o primeiro a dizer "eu te amo", mas estou disposto a esperar o tempo que for para te ouvir dizer. E, sei lá, eu nunca senti isso por ninguém, mas por ti eu fico aqui, eu fico on:de você estiver, eu vou pra onde você for e faço de tudo pra te ver sorrir. É uma dependência que eu não gostaria de ter, mas tenho, e isso dói. Por você, eu posso brincar de descobrir desenho em nuvens, posso contar meus pesadelos e até minhas coisas fúteis. Posso ficar contigo, te contando histórias, até você dormir. Posso tirar a tua roupa, posso fazer o que eu quiser, posso perder o juízo! Mas, qualquer coisa que eu faça contigo, não será em vão, porque com você eu tô tranquilo
      Eu me identifico em praticamente tudo o que você fala. Eu me vejo contigo daqui uns anos. Eu, logo eu, que sempre quis ser desimpedido, livre pra fazer o que quer que eu quisesse, estou aqui te dizendo que mesmo que eu quisesse, eu não conseguiria me desligar de você. Afinal, será que amar é mesmo tudo? Estarei aqui para saber a resposta. Por enquanto, tem sido mais do que tudo. Tem sido o ar que eu respiro, tem sido as músicas que eu ouço e os filmes que assisto. E se isso não é amor, o que mais pode ser? À partir do momento que eu ouvi você dizer "sim" para o que hoje nós temos, o resto é resto, e que se dane tudo. Eu tenho você.

Nota: Mais um texto baseado em música. Dessa vez, escolhi O que eu também não entendo, do Jota Quest. Ganhei um CD da banda com as melhores músicas, estou viciada e essa é uma das minhas músicas favoritas. Espero que gostem. xoxo,


Deixe um comentário