Sufocada, deixada, largada.
A bile é forte, a sensação de tudo saindo de mim é terrível.
Quero e não quero me libertar, 
Me tornei "alguém", "alguém" que eu queria ser,
"Alguém" que eu não sou. 

As palavras se estrairam da minha boca.
Mente. 
Coração, só para bater.
Opressão, essa seria a palavra? 
Me mascarei em algo, me tornei dependente.
Aceitei as inúmeras mentiras,
Mentindo para mim.
Não, tudo não vai ficar bem. 


Melancólica, dramática, confusa. 
Tudo isso eu sou, ou era.
O meu "alguém" de agora, apenas sorrir, 
Não diz o que sentindo, quando diz não é o suficiente. 

As coisas se tornaram um paralelo de mim.
Vejo detalhes, pessoas, coisas, 
E tendo capturar aquela que sorria de verdade. 

Não estou dizendo que não estou feliz, 
Apenas dizendo que eu o meu feliz de antigamente era realmente feliz. 

       


Deixe um comentário