Mas a vida... A vida só se dá pra quem viveu, pra quem amou, pra quem sonhou, pra quem se deu. E se nada disso fizer, fica para trás ou de lado numa montanha de coisas não terminadas. Dentre várias linhas tênues que a vida possui, a que mais observo é aquela que fica entre os erros e os acertos. Ninguém tem uma vida perfeita, e que só faça coisas boas, certas. E nem ninguém tem uma vida completa de imperfeições, problemas, inconclusivas. É comum que se erre, mas persistir em um erro  já pode-se chamar de burrice. Acertar é acaso. Ora você pode ser a pessoa certa, no lugar certo e na hora certa; ora você pode estar completamente errado. Nem sempre é bom ir aos extremos.
          O erro engrandece qualquer um que o assuma. Faz portas fecharem para que em breve outras possam ser abertas. Errar amadurece, faz com que a culpa abra os olhos e faça enxergar outros horizontes, onde se possa imaginar novos objetivos, ultrapassar novos limites, ser você mesmo. Se errar, tudo bem. Mas quando o acerto vier, verás que valera a pena tanto esforço, tanto sofrimento, tanta dor que sentiu. Ser feliz é a sua maior meta? Seja. Viajar é o seu maior sonho? Viaje. Fazer o bem é o seu maior desejo? Faça. Mas faça com vontade, com amor e toda a sua dedicação. Não ponha defeitos onde já existem tantos. Não deixe que as outras pessoas impliquem com o que você quer ser. E aí você verá que os erros serão só o adicional e os acertos farão arte de sua história.
          E não se canse de viver. Jamais desista de tornar os seus sonhos a sua realidade. A vida também se dá pra quem sofreu... Esse alguém merece viver da felicidade, merece renascer de uma nova paixão, desde que não carregue rancor, desde que a raiva ou os resquícios do sofrimento não existem em seu coração. Quando isso acontecer, mal vai perceber, você será feliz. Temos a mania - a pior de todas - de pôr defeitos demais em coisas que têm tudo para dar certo. Em tudo pomos defeito, colocamos má vontade, ignoramos. Está na hora de ser diferente. Você deve se entregar á vida assim como ela se dá a você.
Rosa.
Nota: Mais um dos textos que fiz aqui, em São Paulo, numa dessas de andar pelo bairro da Liberdade e pensar em como é a vida, do que ela é feita e o que fazemos dela. Estou amando escrever de uma hora pra outra, sem ter compromissos nem temas específicos. Só me perdoem os textos curtos, mas realmente não dá pra escrever muita coisa dentro de um restaurante. xoxo,


Deixe um comentário