Não consigo ir a um shopping sem visitar todas as livrarias, e me realizo quando, em um lugar só, existem várias. E nessa de visitar livrarias, você acaba conhecendo livros novos, livros diferentes, livros que muitas pessoas talvez nem tenham ouvido falar. Enquanto dava uma olhada nas estantes de livros mais desconhecidos da Livraria Cultura - uma das melhores, lado a lado com a Leitura e a livraria da Fnac -, encontrei esse livro que hoje vos apresento: O livro das garotas audaciosas. Pelo que li da sinopse e da rápida folheada que dei, conheci um livro que quer quebrar tabus de que garotas foram feitas para usarem vestidinhos meigos e brincar de boneca. Na parte de trás do livro, ele carrega os dizeres:
"Para todas as garotas de espírito independente e tendência para encrencas, um guia de aventuras proibido para meninos. Um manual com tudo que uma garota precisa saber - e isso não quer dizer pregar botões!".
Ao pesquisar para trazer aqui mais informações do livro, descobri que esse livro é a versão feminina d'O livro perigoso para garotos, que tem como sinopse:
"Quantos outros livros podem ensinar a construir sua própria casa na árvore, jogar pôquer ou escrever com tinta invisível? O livro perfeito para todos os garotos de oito a oitenta anos. O livro perigoso para garotos, de Conn e Hal Iggulder, resgata brincadeiras antigas, truques, jogos, revela curiosidades sobre o sistema solar, batalhas famosas e histórias de personagens que são exemplos de coragem e bravura." 



Ambos os livros são interessantes, mas o que é direcionado para os garotos não tem aquele diferencial. A maioria dos garotos se interessariam por um livro como esse, mas nem toda garota quer ler um livro sobre surfe, histórias de mulheres audaciosas e uma moda diferente. A versão brasileira do livro traz a história de grandes personalidades brasileiras, como Anita Garibaldi, Chiquinha Gonzaga e Imperatriz Leopoldina.
O livro das garotas audaciosas traz um estilo ousado e livre para meninas à procura de aventuras, onde nesse livro poderão encontrar histórias sobre piratas famosas da história, mulheres espiãs e outras garotas que mudaram o mundo. Além de aprender movimentos básicos de caratê, conseguir prender o cabelo com um lápis e amarrar um sári.  Neste livro, cozinhar só tem vez se for numa fogueira, em meio à natureza, contando histórias de fantasmas para amigas que também querem encarar essa aventura.
O livro é uma mistura de almanaque, enciclopédia e manual de sobrevivência para meninas, como uma homenagem das autoras à infância, resgatando aventuras e brincadeiras antigas como pular elástico, pular corda e brincadeiras de bate-palma.
Toda menina/mulher que honre e tenha orgulho de tudo o que o gênero fizera, se identifica com o livro. O feminismo prevalece no livro, assim como a coragem de ser diferente, se aventurar e não ter medo de ter alguns arranhões no joelho. Uma das coisas que mais me chamara atenção no livro fora esse incentivo para garotas serem o que quiserem, e se inspirarem nas grandes mulheres da história. Um livro que vale a pena procurar e ler um pouquinho dele a cada dia. Espero que tenham gostado da indicação e até a próxima. xoxo,


Deixe um comentário