Sério? Eu sei que o Bernardo tava olhando pra minha bunda, mas isso não quer dizer que eu vá vestir uma burca só por que você quer. Já te disse: eu ando como eu quiser. E não adiantar dizer que me ama e o diabo a quatro, eu sei que aquela vadia da Natália, queria muito mais do que saber da prova, quem manda ser tão gostoso? Você, sim, devia vestir uma burca. Não aguento mais aquelas taradas, esfregando os peitos em você. Ta chegando o dia que vou arrancar cada fio de cabelo, daquelas vacas.
E sério, você ta doente? Eu te disse que não era pra sair na chuva na sexta-feira, tinha certeza que a sua rinite ia atacar, mas lá vai você, todo machão. Não me escuta, tá vendo o que dá. Tem um remédio naquela caixa dos Beatles, toma ele e ver se si aquieta, se piorar, liga pra sua médica. Sabe, não sei porquê eu to dizendo isso? Afinal, você não vai ligar! Aí a idiota aqui fica preocupada, enquanto você se diverte as minhas custas. E não escuta música alta, senão vai dá dor de cabeça. 
Não sei porquê eu tô falando isso. Eu devia era me arrumar e sair pra balada. Usar aquele vestido vermelho que você diz que odeia, mas eu sei que adora. 
Mas antes, não esquece de pegar uma compressa de gelo e colocar no joelho, se lembra que o meu médico disse que mesmo depois dele colocar o seu músculo no lugar, ainda ia precisar de cuidados?
Aí meu Deus do céu, você não vai fazer nada disso, seu idiota! E eu sei que a sua mãe não ta em casa. Aí eu mereço!
Tô saindo agora de casa, e nem venha querer falar no meu ouvido que sentiu minha falta quando eu chegar ai, e nem ouse encostar em mim! Já chego aí. 
Tá, tá, tá. Eu te amo. 
E de novo a ridícula se lasca. Eu deveria ter continuado namorando o Adam Levine, mesmo sem ele saber, não me dava tanta dor de cabeça.
Mas sabe, eu não consigo. Como você mesmo disse, não dá pra esquecer, parece que você marcou alguma coisa em mim, que eu não consigo não me preocupar com você, ou, chorar por que sinto sua falta. Não gosto de brigar, meu coração fica apertado e eu lembro do seu abraço, da sua voz que é ridiculamente boa, sussurrando aquela música, que se tornou não apenas uma música, é como se ela nos unisse à tudo, o que sentimos um pelo outro. E quando você não consegue dizer que me ama, ou tá com vergonha, se aconchega no meu colo e diz esses pequenos versos, que me fazem chorar como uma boba. E você adora! Então a gente briga, e eu penso que nunca mais vou ter isso, e coloco a música pra tocar.
Não sei porquê tô lembrando disso tudo. Então me deixa! Tô aqui dentro do ônibus, morrendo de medo de ser assaltada, mas não consigo parar de escrever essa mensagem. Me bateu aquela famosa nostalgia, dos tempos que você era o babaca que adorava pregar chiclete no meu cabelo, do tempo que eu andava de maria chiquinha e a sua face era muito mais cheinha.
São nesses momentos, que percebo que não consigo mais dizer não, ou ficar longe. Dói, e não quero mais sentir essa dor, já senti demais, quando você sofreu aquele acidente e eu pensei que nunca mais escutaria o som da sua risada. Então não me culpe, por ser tão chata e controladora. Só tenho medo de te perder, e isso inclui a Natália e seus peitos, apesar de que eu mataria ela se chegasse um milimetro mais perto de você.
Então, só me desculpa e me abraça apertado, por que já to com saudade dessa sua cara amassada de eterno sono. Pode me beijar também, não vou ligar. E acorda, por que eu já to na tua porta.


Nota: Ae! Depois de "Atrás do meu sorriso'', tive pedidos para fazer a resposta dela. Então, está ai, e tenho que dizer que gostei dele. Principalmente pois sou uma romântica de mão cheia. Vih, está ai a sua resposta, para usar com o boy.


                                                         



2 Comentários

  1. Ai meu Deus ! 😍 Tem um olho na minha lágrima. Já salvei o texto para caso de emergência

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou! Use com moderação. Beijos!

      Excluir