Autor(a): Kimberly McCreight
Editora: Arqueiro 
Páginas: 352 
Sinopse: Você conhece a pessoa que mais ama no mundo? 
Kate Baron achava que sim até receber a devastadora notícia de que Amelia, sua filha de 15 anos, cometeu suicídio pulando do telhado do colégio particular onde estudava. Poucos dias depois, entretanto, uma mensagem anônima em seu celular revela que a morte de sua filha talvez não tenha sido de maneira que as autoridades alegaram.
Amelia poderia ter sido assassinada? Como advogada, Kate está determinada a descobrir a verdade e, para isso,mergulha no passado da filha, recolhendo cada fragmento de e-mail, cada linha dos textos do blog, cada atualização de status do Facebook.
Sempre um passo atrás da verdade, ela descobre um lado de Amelia que nunca imaginaria que existisse.
Este impressionamento romance de estréia vai além de uma história sobre segredos e mentiras. Marca a busca de uma mãe tentando reunir cada detalhe possível para reivindicar a memória da filha que não pôde salvar.


Fiz um post sobre a minha leitura de ''Reconstruindo Amelia" - e essa chegou ao fim -. O livro me surpreendeu desde o começo, com um mistério super bem distribuído, uma investigação plena e que conseguiu se estabelecer e um drama familiar e adolescente muito bem aplicado.
O livro me prendeu muito na parte investigativa, pois a cada segundo eu tinha mais um suspeito, em todos os mistérios da história. Ao mesmo tempo me senti recebendo uma grande informação de carga emocional, que me levou a pensar em várias coisas da minha vida.
O livro trabalha muito bem com a divisão do drama de Kate de perder a filha e depois ter que investigar a morte desta, esta que com os seus capítulos nos mostrou o quanto por querer ser mais, ou por causa de alguém, nos podemos mudar, e deixamos mentiras se transformarem na nossa vida, além de que, tendo a visão da Amelia, percebemos o quanto a sociedade pode ser cruel e que ela ainda é extremamente preconceituosa.
A história tem algumas falhas de raciocínio, mas que são deixadas de lado por causa da situação que a Kate está passando.
Os personagens secundários são bem interessantes e explicativos, fazendo que a história fique mais complexa e organizada. No fim, o final me agradou, pois trouxe um ''que" de realidade gigantesco, que me fez parar e pensar em todas as minhas atitudes, e o quanto elas podem ter de consequência, pois no fim, o final é puramente as consequências de um ato de Amelia.
Além de tudo, passa muito a relação que mãe e filha tem. O quanto é importante essa relação e que primeiro devemos confiar em nós para confiar em quem realmente ama a gente.
Recomendo o livro para todos, pois ele eleva muitas coisas além de seu foco principal, ele quebra tabus e nos faz pensar o quanto significa uma pessoa.


Melhores quotes: 

"Existem várias definições para a palavra idiota no dicionário. Não seja mais uma." Página 9 

"Mas é claro que isso é um currículo, não uma pessoa. Uma pessoa é o que está começando a crescer dentro de mim. E essa sementinha minúscula de um menino ou uma menina não liga para nada disso. Só quer o meu amor." Página 42 


" - Mãe, vá tomar no cu - disse Kate, calmamente - Era isso que eu ia dizer: vá tomar no cu." Página 50


"Como se o destino fosse pior que a morte.'' Página 173 


" Eu não sabia se estava apaixonada por ela, mas não conseguia pensar em outra coisa. E, quando estávamos juntas, eu me sentia ligada a algo maior e melhor que eu. Para mim, isso parecia amor." Página 173.


"Via minhas pernas contra a cadeira, via os braços da cadeira sob minhas mãos, mas não os sentia. Não sentia nada." Pagina 221 




                                                                 


Deixe um comentário